segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Ensinando nossos adolescentes e jovens.



Introdução:
Você está pronto para trabalhar com jovens e adolescentes? Conhece a linguagem da nova geração? Sabe de quais músicas eles gostam e conhece as letras delas? Conhece os sites em que eles navegam e lê ou assiste os seus conteúdos?
Se você é um jovem e dá aula para os seus pares ou para os adolescentes seu abismo linguístico e cultural é menor, mas sua autoridade e preparo tendem a ser muito mais questionados (embora isso não seja necessariamente uma verdade). Contudo, se você é mais velho, pelo menos dez anos, já tem os desafios que as perguntas iniciais apresentam.
Nesta palestra vamos juntos discutir sobre a necessidade de ser um estudante antes de ser um professor, de ouvir para a partir de aí ensinar a praticar e de lhes tocar o coração para que se abram ao que temos para lhes transmitir.
Que o Senhor nos ilumine e guie.

I - Primeiro estudante, depois professor.
“Quem desiste de aprender perde a capacidade de ensinar”.
É impossível ser um bom professor tendo um “arquivo intelectual vazio”.
Se o professor não domina o assunto a ser tratado não poderá transmiti-lo aos outros. Somente um estudante pode ensinar outro estudante.
Você continua seu processo de aprendizagem? Quantos livros você lê por ano? Você lê a Bíblia pelo ao menos uma vez ao ano? O seu trabalho é ensinar e só se ensina depois que se aprende.
Muitas vezes, devido à grande demanda de mão de obra, não há nenhuma exigência para que uma pessoa ocupe o cargo de professor da EBD.
Que mudanças houve na sua vida nos últimos tempos? Você está crescendo espiritualmente em que áreas? Cite (pense) uma área da sua vida em que a Palavra gerou impacto, mudança e crescimento na sua vida com Deus.
Para ser professor é preciso ser transformado pela Palavra, ser apaixonado leitor dela e ser uma proclamação viva do que é a Palavra para aqueles que não a leem.

II - Primeiro ouça, depois ensine a praticar.
Você conhece os seus aprendizes? Sabe do que eles gostam? Conhece as pessoas que eles admiram (na música, internet, literatura, etc.)? Eles se sentem à vontade contigo? Um mestre de excelência para jovens e adolescentes é aquele que se identifica com os meninos e meninas, questionando e ouvindo-os, sem recriminá-los, mas buscando entendê-los em sua forma de pensar e sentir para só então, com amor, orientar biblicamente quanto aos equívocos que estejam cometendo.
Fazendo isso, envolva-os. Mas tome cuidado com o envolvimento correto. Preste atenção às três frases abaixo, pois vamos avalia-las:
A repetição leva à perfeição - errado, pois essa prática repetida anos a fio pode estar errada ou ultrapassada.
A experiência é nosso melhor mestre - incorreto. As pessoas não precisam ter uma overdose de cocaína para saber que ela é uma droga destrutiva. A experiência adequadamente avaliada é o nosso melhor mestre.
“É fazendo que se aprende” (Platão) - correto. Porém esta frase não especifica o que é esse “fazer”. Por isso, entendo que ela ficará melhor se dita assim: “É fazendo a coisa certa que se aprende o certo”.
Esteja atento aos seus alunos e insira atividades práticas que os levarão a aprender o evangelho profundamente.

III - Primeiro o coração, depois o conteúdo.
O que impacta as nossas vidas não é a razão, mas o coração (coloque a mão na cabeça, tente sentir o seu cérebro; agora coloque a mão no peito e tente sentir o seu coração. Qual dos dois você sentiu?).
O coração na Bíblia se refere à totalidade do ser (intelecto, emoção e vontade).
Entenda, se os seus aprendizes gostarem de você, gostarão daquilo que você ensina. Faça um exercício e tente se lembrar das matérias que você mais gostava na escola e de como era a sua relação com esse professor ou professora? Será que você passou a gostar de uma matéria que antes odiava quando foi estudar com o professor (a) A ou B?
Os ensinos mais preciosos que guardamos no coração estão diretamente ligados a pessoas que temos no coração.
Gostamos de recordar momentos gostosos de aprendizado que tivemos ao lado de pessoas que amamos. Recordar vem do latim “Re Cordis” e significa repetir no coração.
Essas recordações só são possíveis porque essas pessoas e seus ensinos foram, e talvez ainda sejam, importantes para nós. Importante, por sua vez significa “Portar dentro”. Ou seja, nós trazemos essas pessoas e seus ensinos em nossos corações.
A lição é: Seja importante para os seus aprendizes para que eles possam sempre trazer no coração os seus ensinos e recordar cada um deles revivendo o momento maravilhoso em que aprenderam contigo.

Conclusão:
Quero encerrar esse tema tão importante da necessidade de ensinar os nossos adolescentes e jovens fazendo pequenos apontamentos que julgo pertinentes para a fixação do conteúdo.
Invista em você e no seu crescimento espiritual, intelectual e pessoal, pois só pode amar o outro a ponto de gerar transformação em sua vida aquele que ama e investe em si mesmo para experimentar a transformação.
Ouça os meninos e meninas que o Senhor te confiou. Mostre-se interessado nos seus dilemas e lutas, mas com real interesse.
Procure conhecer o que eles gostam e estão ouvindo, lendo e vendo por aí.
Não os julgue sem antes os entender. Assim você poderá orientar com graça, mansidão e autoridade.
Seja amigo dos seus aprendizes, tocando-lhes o coração, para que você, seus ensinos e conselhos se tornem importantes para eles a ponto de se recordarem, sempre que necessário, de cada um.
Deus os abençoe no vosso ministério!