sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

A alegria nas provas


Texto: Tiago 1.2-4
Introdução: A vida cristã é cercada de lutas e provações e Deus as permite para que possamos crescer em graça. Por esse motivo Tiago nos ensina a nos alegrar em Deus mesmo nas tribulações, pois Ele pode transformar dor em bênção, tristeza em alegria, morte física em vida eterna.
Esta mensagem tem como propósito nos levar a uma reflexão acerca do papel das provações nas lutas dos santos.

Elucidação textual: O cristianismo ensina aos homens a serem alegres mesmo diante dos problemas. Tais dificuldades são como exercícios enviados ou permitidos da parte de Deus com o propósito de nos fortalecer na graça agora, e nos conceder a coroa da glória no final. Tomemos cuidado nos momentos de provação para que a paciência e não a murmuração seja configurada para trabalhar em nós. Independente do que é dito ou feito em nós ou sobre nós, a perseverança deve ser o resultado final. Quando o trabalho de perseverança é completo, ele irá fornecer tudo o que é necessário para a nossa vida e luta cristã .
Proposição: O cristão deve se alegrar nas provações que lhe sobrevêm.
Sentença interrogativa: Por que o crente deve se alegrar nas provações?
Sentença de transição: Há pelo menos três razões pelas quais os cristãos deve se alegrar nas provações.
I.                  Porque as provações da nossa fé são diversas, mas são passageiras:
a.   Jesus nos advertiu acerca das aflições: "Eu lhes disse essas coisas para que em mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo". (João 16:33).
b.   Paulo também ensina essa verdade: “fortalecendo os discípulos e encorajando-os a permanecer na fé, dizendo: "É necessário que passemos por muitas tribulações para entrarmos no Reino de Deus". (Atos 14:22) e “De fato, todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos”. (2 Timóteo 3:12).
c.    A palavra que Tiago usa nos versículos 2,3 para provações é o termo grego peirasmos, que significa submeter à prova. Peirasmos se refere às dificuldades, lutas e aflições que vêm de fora, tais como, perseguições, enfermidades, injustiças, etc.
d.   Peirasmos é diferente de peiradzo, que aparece nos versículos 13 e 14 e que significa “fazer teste de”. Peiradzo se refere a provas morais internas, advindas da nossa própria natureza pecaminosa. É quando nós somos testados por nós mesmos. Porém, acerca desses versículos falaremos mais em uma mensagem futura.
e.   O Tiago está ensinando não que os cristãos devam se alegrar por estarem sofrendo, mas por, apesar do sofrimento, estarem com Cristo. Este é o sentido de 1 Tessalonicenses 5.18: “Dêem graças em todas as circunstâncias, pois esta é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus”. Afinal, tanto o cristão quanto o ímpio sofrem, mas o ímpio sofre sozinho e como consequência pura do seu pecado, ao passo que o cristão sofre, mas conta com a presença de Jesus ainda que seja no vale de sombra e morte (Sl 23.4) e é aperfeiçoado pelo seu sofrimento.
II.               Porque as provações da nossa fé produzem perseverança:
a.   O pastor Bill Hybles disse que “Não existe crescimento sem mudança. Não existem mudanças sem perdas. Não existem perdas sem dores”.
b.   O propósito da provação é nos dar mais resistência às investidas do inimigo e nos tornar mais fortes para perseverarmos com o Senhor.
c.    Ser perseverante significa ser constante, firme, inabalável. Este é o propósito nas provas na nossa vida. Assim como um atleta treina seu corpo através de rigorosos exercícios para manter-se firme até o fim de uma competição, o Senhor submete-nos a “treinamentos” espirituais para que possamos ser fiéis até o fim. “Todos os que competem nos jogos se submetem a um treinamento rigoroso, para obter uma coroa que logo perece; mas nós o fazemos para ganhar uma coroa que dura para sempre”. (1Co 9.25)
III.            Porque as provações da nossa fé nos tornam maduros e íntegros como resultado da ação completa da perseverança.
a.   Quando perseveramos até o fim da prova será salvo pelo Senhor. – Mateus 24.3-13. “Tendo Jesus se assentado no monte das Oliveiras, os discípulos dirigiram-se a ele em particular e disseram: Dize-nos, quando acontecerão essas coisas? E qual será o sinal da tua vinda e do fim dos tempos? Jesus respondeu: Cuidado, que ninguém os engane. Pois muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo! e enganarão a muitos. Vocês ouvirão falar de guerras e rumores de guerras, mas não tenham medo. É necessário que tais coisas aconteçam, mas ainda não é o fim. Nação se levantará contra nação, e reino contra reino. Haverá fomes e terremotos em vários lugares. Tudo isso será o início das dores. Então eles os entregarão para serem perseguidos e condenados à morte, e vocês serão odiados por todas as nações por minha causa. Naquele tempo muitos ficarão escandalizados, trairão e odiarão uns aos outros, e numerosos falsos profetas surgirão e enganarão a muitos. Devido ao aumento da maldade, o amor de muitos esfriará, mas aquele que perseverar até o fim será salvo”.
b.   É preciso perseverar até o fim para que haja uma ação completa. Se perseverarmos até o meio do caminho e pararmos aí então a ação não será completa e nosso sentimento de frustração será pior, pois nos sentiremos perdidos e magoados.
Conclusão:
Por fim, Deus permite que sejamos provados de diversas formas para que nossa fé vença e gere em nós a perseverança e a perseverança desenvolva em nós um caráter integro e maduro.
Não murmure quando passar por uma prova. A nação de Israel demorou 40 anos para tomar posse da promessa que seria alcançada com uma caminhada de aproximadamente um mês, mas que foi adiada por Deus para dois anos, porque eles não estavam prontos e organizados para a guerra (Nm 14.32-34; Dt 2.14). Mas as coisas se tornaram muito piores porque eles ao invés de dar graças a Deus pela grande libertação do Egito, murmuraram por aquilo que não tinham no deserto.
Em contrapartida, José em 13 anos foi de filho mimado e irmão odiado à condição de governador do Egito e recebeu o título de  Salvador do Mundo (Zafenate Panéia – Gn 41.45).
Se alegre em Jesus mesmo nas provas, pois Deus tem um propósito para a sua vida.