quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Conhecer não tem sentido se não for para viver

"Tendemos a pensar que se alguém se tornou um perito na Bíblia, é praticamente um gigante espiritual. Mas, da perspectiva de Deus, o nome do jogo não é conhecimento - é obediência ativa. Não é a quantidade de verdade que está em sua cabeça que conta, mas o quanto está em sua vida. Hebreus 5.13,14 distingue crianças que não estão familiarizadas com o ensino sobre a retidão, dos adultos, 'os quais, pelo EXERCÍCIO CONSTANTE, tornaram-se aptos para discernir tanto o bem quanto o mal" [grifo do autor].
Fonte: Como o ferro afia o ferro, Howard e Willian Hendricks, pag. 121.

Ao ler este texto do grande mestre Howard Hendricks me pus a pensar sobre algumas realidades que tenho observado no exercício do pastorado. Homens e mulheres que possuem muito conhecimento bíblico e um vida piedosa são potências nas mão do eterno. Porém, nossas escolas estão formando muitos teólogos prepotentes, que por estarem adquirindo algum conhecimento teológico tornam-se arrogantes com relação aqueles que não possuem o mesmo conhecimento e até mesmo rebeldes com relação aos seus pastores.
Assim como a Palavra de Deus ensina, cada um será julgado de acordo com a luz que possui acerca da verdade, e quanto mais luz maior o peso do julgamento, pois conhecimento deve levar à prática. De nada adianta muito conhecimento bíblico se na prática as ações são pecaminosas, tais como rebelião, insubordinação, fofocas, palavras maldizentes, infidelidade, falta de oração e piedade, etc.
Da mesma forma, ter a oportunidade de aumentar o conhecimento para servir melhor a Deus e não aproveitá-la também se constitui pecado. O Senhor diz nos dias de Oséias que assim como os seus sacerdotes haviam rejeitado a Palavra também Ele os rejeitaria Os 4.6). Hoje, todos os cristãos são sacerdotes de Deus (1Pe 2.9) e se não têm um compromisso com a Palavra serão igualmente rejeitados.
O ensino fundamental da Escritura é que devemos conhecer e viver. De nada adianta uma cabeça cheia e um coração vazio ou um coração cheio e a cabeça vazia.
Deus tenha misericórdia de mim, pois não quero ser apenas um "doutor da Lei", como os fariseus, cheios de conhecimento mas duros de coração e rebeldes ao Senhor Jesus e às suas Palavras. Quero viver como Paulo, Apolo, Barnabé, Pedro e tantos outros santos, que conheciam a Escritura em níveis diferentes, mas obedeciam em tudo ao que conheciam e continuaram crescendo em conhecimento para aprimorar sua obediência, não o seu orgulho.
Soli Deo Glória.