domingo, 10 de novembro de 2013

Mantendo as lâmpadas acesas.



Texto: Mateus 6.19-24

Introdução:
Você conhece alguma pessoa que você considera feliz reclamando da vida ou falando mal do seu trabalho, da sua igreja, vizinhança ou família?
As formas como nos referimos às pessoas, instituições e coisas que nos cercam estão diretamente ligados à forma como olhamos para elas e isso influencia nosso comportamento e emoções.
Pessoas felizes têm olhos bons para as pessoas, coisas e circunstâncias. Pessoas infelizes têm olhos maus para as pessoas, coisas e circunstâncias.
Nesta mensagem vamos constatar essa realidade a partir do ensino de nosso Senhor e Salvador, Jesus, em determinado ponto do seu sermão da montanha.

Elucidação textual:
Neste pequeno texto Jesus está explicando aos seus discípulos o sentido do verdadeiro cristianismo, entre algumas críticas dirigidas aos fariseus e doutores da Lei.

No texto de Mateus Jesus está aconselhando os seus discípulos a não buscarem riquezas terrenas como meta de vida, pois aquilo que se constitui nossa meta (tesouro) é o que guiará o nosso coração. Logo após Sua explicação sobre a forma como se deve olhar para a vida, o Senhor adverte-nos contra a ansiedade doentia pelo amanhã.

Já no texto de Lucas (11.29-12.3) o discurso do Senhor aparece em meio a uma critica aos judeus que queriam ver milagres como sinal da presença de Deus e o Senhor afirma que Ele mesmo é o sinal de Deus para a nossa geração. Portanto, o foco não deveria estar nos milagres de Jesus, mas no próprio Jesus. Em seguida o Senhor repreende os fariseus e doutores da Lei por sua observância rigorosa de costumes religiosos e o desprezo dos princípios eternos de Deus (juízo e amor).
A partir daí o Senhor ensina sobre a perspectiva correta que os seus discípulos devemos possuir, e o estudo de certas palavras deste texto podem nos ajudar em muito. Vejamos.

Bom, do grego Haplous (singular, simples, sadio, perfeito). Luz, do grego Phos (brilhar ou tornar manifesto).- aplicado também no sentido do verdadeiro conhecimento de Deus e das coisas espirituais, a piedade cristã (Mt 4.16; Jo 3.19; 8.12; At. 26.18,23; Rm 13.12). Consequentemente, os fieis são chamados filhos da luz. Trevas, do grego skotos (escuridão, obscuridade - tanto espiritual quanto física).

E com base nessa advertência do Senhor que vamos meditar na sua palavra hoje. Que o Senhor nos abençoe.

Verdade teológica: O foco de nossa visão da vida define se o que há em nós é luz ou trevas.

Sentença interrogativa: Como saber o que significa ter os olhos bons ou olhos ruins?

Sentença de transição: A partir do ensino de Jesus neste texto podemos definir olhos bons ou ruins com base naquilo que determina o alvo de nossos esforços, o objeto de nossa devoção e os reflexos emocionais de nosso ser.

I - Somos definidos por Jesus como tendo olhos bons ou maus pelo alvo dos nossos esforços (vv. 19-21)
1)    Olhos maus (doentes) se esforçam pelas coisas desse mundo (v.19).
a)    Você diz: Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada. Não reconhece, porém, que é miserável, digno de compaixão, pobre, cego, e que está nu. Apocalipse 3:17
b)    A igreja de Laodiceia tributava a si o mérito de ter obtido riquezas por seus esforços e confiava nessas riquezas e não no Senhor Jesus, por isso recebeu essa palavra de repreensão e alerta para corrigir sua postura diante de tal situação antes que viesse o juízo.
2)    Olhos bons (sadios) se esforçam pelas coisas do céu (v.20).
a)    Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas.  Colossenses 3:1-2
3)    Olhos bons ou maus sempre terão sua atenção voltada para aquilo que mais valorizam (seu tesouro-v.21).

II - Somos definidos por Jesus como tendo olhos bons ou maus pelo objeto de nossa devoção (v.24)
1)    Olhos doentes não conseguem focar sua visão em um único alvo - O Senhor não está falando aqui para ímpios, mas para discípulos que estavam com o coração dividido entre Jesus e os benefícios desta terra. Por isso Ele alerta sobre a impossibilidade de servir a dois senhores.
2)    Olhos bons entendem que não há nada de errado em se obter riquezas de forma legitima, o erro está em colocar o nosso coração nestas riquezas, títulos, fama, reconhecimento ou qualquer outra coisa desta vida.
a)    Quem confia em suas riquezas certamente cairá, mas os justos florescerão como a folhagem verdejante. Provérbios  11.28
3)    Aquele que nos domina e obtém a maior parte de nosso tempo e dinheiro é o nosso Deus.
a)    "o homem é escravo daquilo que o domina". 2 Pedro 2:19c

III - Somos definidos por Jesus como tendo olhos bons ou maus pelos reflexos emocionais do nosso ser (vv.25-34).
1)    Olhos doentes são dominados pela ansiedade - Senhor Jesus nos exorta a não nos deixarmos dominar pela ansiedade, pois ela configura falta de fé própria dos pagãos (vv.25-32).
2)    Olhos bons se empenham em promover o Reino de Deus e a sua justiça, poistêm certeza de que Ele suprirá as nossas necessidades (vv.33,34).
a)    Buscar o Reino e a sua justiça significa buscar a salvação mediante a justificação em Jesus - tanto em seu aspecto passado, quanto presente e futuro. Isto quer dizer, como explica muito bem o pastor John Stott, que fomos salvos uma vez por todas quando cremos no sacrifício de Jesus na Cruz (Não por meio de sangue de bodes e novilhos, mas pelo seu próprio sangue, ele entrou no Lugar Santíssimo de uma vez por todas, e obteve eterna redenção. -Hebreus 9:12). Estamos sendo salvos na medida em que desenvolvemos o caráter de Cristo em nós (pois vocês estão alcançando o alvo da sua fé, a salvação das suas almas. - 1Pedro 1:9) e seremos salvos no grande dia, quando o Senhor vier nos buscar e formos transformados para sempre em um corpo incorruptível (Se quando éramos inimigos de Deus fomos reconciliados com ele mediante a morte de seu Filho, quanto mais agora, tendo sido reconciliados, seremos salvos por sua vida! - Romanos 5:10).
b)    Viver ansiosamente acerca do futuro significa que não estamos dispostos a confiar no Senhor para guiar a nossa vida. Isso é pecado de incredulidade e é extremamente difícil para a natureza humana. Somente mediante uma vida de comunhão com o Eterno conseguiremos viver nesse nível de espiritualidade.
3)    Nós estamos olhando confiantemente para Jesus ou apavoradamente para os nossos problemas?

Conclusão:
Como temos olhado para a vida e as circunstancias que nos cercam? Se procuramos problemas na Igreja, no trabalho, nas amizades ou qualquer outra coisa, certamente encontraremos. Mas se procurarmos a benção de Deus nessas coisas também encontraremos. Tudo depende da forma como olhamos...
Como você tem olhado para a vida?
Sonde o seu coração, responda para si e para o Senhor com sinceridade em como anda o seu olhar e tome uma atitude diante das suas constatações.
Deus te abençoe.