segunda-feira, 22 de julho de 2013

Tema: Entendendo o conceito de representatividade.



Texto: Efésios 1.1

Título: O que é estar em Cristo

Introdução:
Quase todos os brasileiros gostam de futebol, e a maior parte daqueles que não tem grande interesse costuma se mobilizar quando o assunto é a seleção. E ainda que não haja interesse em futebol, nem em nenhum outro esporte, as pessoas, via de regra, ficam muitos felizes quando ouvem referências elogiosas ao seu país.
Isso se deve pela representatividade, ou seja, o tal brasileiro que obteve alguma conquista em nome do país, representava cada um de nós, pois somos brasileiros. Nascemos e crescemos nesse país; sua cultura é a nossa cultura (mesmo que tentem mudar isso na idade da consciência), seu povo é o nosso povo.
O mesmo princípio se aplica ao Reino de Deus e à nossa vida em Cristo, como abordaremos nessa breve mensagem.

Elucidação textual: A carta de Paulo aos Efésios trata de temas muito profundos, mas nessa mensagem nosso foco maior estará em duas delas.
A primeira verdade é a do mistério (algo não revelado até então) da Igreja, que nós, gentios fomos feitos co-herdeiros com os judeus, da promessa de Deus em Cristo. E a segunda grande verdade é que a igreja é um corpo espiritual e terreno de Cristo e que deve viver de forma digna dessa realidade.

Declaração teológica: O Evangelho não é um chamado para fazermos algo, mas o anuncio de que tudo já foi feito naquele que representou a todos: Jesus.

Oração interrogativa: Como posso entender que Jesus já fez tudo por mim?

Oração de transição: É possível compreender que Jesus já fez tudo por nós quando entendemos três princípios bíblicos fundamentais: O conceito de representatividade, o que somos em Cristo e nossa encarnação da vida de Cristo.

1)    Entendendo o conceito de representatividade.
a)   A batalha entre Davi e Golias (1Sm 17) – Nesta batalha Davi representava toda a nação de Israel. Se ele perdesse a luta todos os Israelitas se tornariam escravos dos Filisteus; se ele vencesse a situação seria oposta. Por isso os reis colocavam seus melhores homens para lutar nesses momentos.
b)   Assim também aconteceu no caso de Jesus, nosso Senhor – É óbvio que sendo Deus Satã não teria a menor chance contra ele, mas ele encarnou-se, tomou a nossa forma e enfrentou Satã como um homem (Fp 2.5-11). Assim, ao vencê-lo o fez representando todos os homens – “sabemos que ninguém é justificado pela prática da lei, mas mediante a fé em Jesus Cristo. Assim, nós também cremos em Cristo Jesus para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pela prática da lei, porque pela prática da lei ninguém será justificado” (Gl 2.16).
c)   Portanto a vitória sobre o diabo já está garantida, porém, apenas para aqueles que estão em Cristo.
d)   Aplicação prática: Um exemplo disso na atualidade é bem peculiar no esporte. Quando um atleta vence alguma competição representando o seu país, mesmo aqueles que não apreciam tal esporte sentem orgulho de saberem que o seu povo foi bem representado e saiu vencedor. Embora somente um atleta ou um time tenha disputado a competição, todo o povo a quem representam sente-se vitorioso.
e)   Exemplo: Quando, eu vou à rádio para participar de um debate eu represento muito mais que o Ioséias, eu represento a Igreja Congregacional do Conforto e a toda a denominação quando falo, pois ali sou mais que uma pessoa, sou um dos pastores de um povo. Assim como muitos me disseram algumas vezes que ficaram felizes de me ouvir no debate e que eu honrava nossa igreja, tenho certeza que também ficariam muito decepcionados caso eu fosse desrespeitoso, arrogante, agressivo ou vulgar.
f)    Ao vir a este mundo, Jesus veio para vencer o pecado, morrer e ressuscitar para que todos aqueles que pela fé crerem nele possam receber o perdão dos pecados e a certeza da vida eterna; como veremos a seguir.
2)    Entendendo quem somos em Cristo.
a)   Em Cristo somos santos e fiéis – Ef 1.1; 1Co 1.2.
b)   Em Cristo somos abençoados com toda sorte de bênçãos espirituais nas regiões celestes – Ef 1.3.
c)   Em Cristo conhecemos o mistério da vontade de Deus, de fazer convergir em Cristo todas as coisas – Ef 1.9,10.
d)   Em Cristo nós esperamos e vivemos para o louvor da Sua glória – Ef 1.12.
e)   Em Cristo fomos ressuscitados com Ele e assentados nos lugares celestiais – Ef 2.6.
f)    Em Cristo recebemos a incomparável riqueza da graça de Deus, demonstrada em sua bondade – Ef 2.7.
g)   Em Cristo fomos criados por Deus para as boas obras – Ef 2.10.
h)   Em Cristo fomos aproximados de Deus pelo Seu sangue – Ef 2.13.
i)     Em Cristo fomos feitos co-herdeiros com Israel e co-participantes da promessa – Ef 3.6 (Ex 19.5; 1Pe 2.9).
j)    Em Cristo a Igreja glorifica o Pai – Ef 3.21.
k)   Em Cristo fomos perdoados e devemos sempre perdoar – Ef 4.32.
l)     Em Cristo damos graças constantemente a Deus Pai por todas as coisas – Ef 5.20.
3)    Entendendo a encarnação da vida de Cristo em nossa vida.
a)   Uma vez salvos pela graça entendemos que a morte de Cristo na cruz é a nossa morte com ele para esse mundo – Gl 2.20.
b)   Mas também entendemos que a sua ressurreição é a nossa ressurreição espiritual nele e nos leva a buscar as coisas que são do alto – Cl 3.1-11.
c)   Ao nascermos de novo recebemos a vida de Jesus e, naturalmente, viveremos a vida de Jesus (embora em constante conflito com a nossa carne- Gl 5.17) – 2Co 5.17; Gl 5.20.
d)   Viver a vida de Jesus significa manifestar a sua natureza em nossas atitudes (mesmo a despeito de nossa humanidade pecadora) –
e)   A vida de Jesus em nós (zoe) significa a vida de Deus, pois não se entende como extensão de dias e atividades, mas como qualidade e intensidade de vida – Jo 1.4.
f)    Sendo renascidos em Cristo porque Ele assumiu a nossa natureza e nos deu a Sua natureza (2Pe 1.4), de forma que somos seus representantes (embaixadores) e não falamos mais em nosso nome, mas no nome dele - 2Co 5.20,21.
g)   Por fim, essa natureza de Cristo em nós e seu subsequente compromisso com o Reino de Deus não é fruto de nossos esforços pessoais, mas da obra do Espírito Santo em nós (Rm 8.5-8). Por isso, não temos do que nos gloriar (Gl 6.14; 2Co 10.17).


Conclusão:

Como vimos, Jesus morreu e ressuscitou, representando cada um de nós, que exercemos fé nele. Nisso podemos compreender quem somos em Cristo. Mas não podemos deixar de refletir: Você tem vivido a vida de Cristo? A natureza de Jesus está refletida em sua vida? Como embaixador de Cristo suas palavras concordam com as palavras e a maneira de agir do Seu Rei?
Responda e assuma agora uma posição diante dessa verdade.