sábado, 23 de fevereiro de 2013

Resgatando a Autoridade

Assistindo a um vídeo do pastor Lucio Barreto, que o presbítero Diego Pereira me enviou, falando sobre o resgate da autoridade, me pus a pensar nas palavras do irmão e fui levado a concordar e refletir com ele.
O diabo é muito sutil. Em dias de total falta de respeito pelas autoridades (políticas, policiais, religiosas, familiares, educacionais, etc.) muitas pessoas têm surgido, principalmente no seio da Igreja, com um discurso "espiritual" de que quando um líder reclama sua autoridade é porque ele não a tem ou está sendo tirano. Sutilieza filosófica satânica. Acredito que as pessoas que preconizam esse pensamento são justamente aqueles que não respeitam ninguém e não querem ser cobrados por isso.
Ao ler a Escritura percebo que homens de Deus, de autoridade que nenhum de nós questiona, tiveram que lembrar aos seus contemporâneos quem eles eram e o que representavam em Cristo. Paulo escreveu a sua segunda carta aos Coríntios justamente para lhe lembrar e defender a sua autoridade apostólica. Pedro exorta a Igreja a que honre as autoridades mesmo diante das perseguições (1Pe 2.11-17). Judas fala de falsos líderes (não constituídos pela Igreja, mas auto declarados) que rejeitavam e blasfemavam das autoridades constituídas. O próprio Senhor Jesus foi questionado pelos líderes religiosos dos seus dias e teve que reivindicar sua autoridade (Mt 9.6,8; Mt 21.23-27; Jo 5.27; Jo 10.18).
Portanto, concluo que nada há de errado em alguém lembrar àqueles que estão sob a sua responsabilidade que ele tem autoridade sobre eles. Parafraseando o pastor Lúcio, é hora de os pais lembrarem aos seus filhos que quem manda em casa são eles e não os meninos; é hora de os pastores lembrarem à Igreja local de que o povo lhe deve respeito, honra e obediência em Cristo, porque é ele quem vai responder diante de Deus por cada uma daquelas vidas que lhe foram confiadas (Hb 13.17).
Não há espaço para insubordinação e falta de respeito no seio da Igreja. Contudo os líderes devem sempre usar sua autoridade visando a edificação ou restauração com uma atitude de graça e tendo como base o próprio Cristo.
Você que é liderado, honre as autoridades que Deus colocou sobre a sua vida, e se essas autoridades, a seu ver, estão agindo de forma errada, faça como Davi, que mesmo sabendo dos pecados de Saul não ousou feri-lo, mas o colocou nas mãos do Senhor (1Sm 26.23) e o Altíssimo honrou o jovem pastor de ovelhas e julgou o tirânico rei de Israel.
Você e eu, que somos líderes, não sejamos como Saul, que não liderou para o Senhor, mas para si mesmo, buscando a satisfação das suas vontades e desejos, pois por mais que os homens nos honrem nesta terra o Senhor nos levará a juízo e lhe prestaremos contas.
Continuemos a servir o Senhor com alegria e cumprindo a Sua vontade.
Seja Deus exaltado hoje e sempre em nossas vidas.