quinta-feira, 29 de novembro de 2012

FÉ NÃO É O QUE MOVE A MÃO DE DEUS, MAS O QUE NOS MOVE PARA A GLÓRIA DE DEUS.


TEXTO: HEBREUS 11.1-12.

INTRODUÇÃO
1. Temos vivido dias em que as pessoas fazem as coisas mais absurdas e afirmam estar agindo “pela fé”. Isso leva muitos à frustração e decepção e consequente abandono da fé por não terem uma fé profunda e enraizada.
2. Nesta mensagem vamos avaliar o que a Bíblia diz que é a fé e o que não é a fé. Por fim, vamos avaliar como a fé se manifesta na prática cristã e concluir como esses aspectos devem se revelar na nossa vida.

PROPOSIÇÃO
ESSA MENSAGEM ABORDARÁ A FÉ BÍBLICA COMO A VERDADEIRA E ÚNICA FORMA DE SE AGRADAR A DEUS.

Sentença Interrogativa
MAS, VOCÊ SABE O QUE É E O QUE NÃO É A FÉ À LUZ DA ESCRITURA SAGRADA?

Sentença de Transição
PRIMEIRO VAMOS AVALIAR O QUE A FÉ SIGNIFICA NA ESCRITURA.
                                 
I. FÉ É CERTEZA.
1. CERTEZA NAS PROMESSAS DE DEUS.
Fé é crer nas promessas de Deus e não em qualquer coisa. Quando dizemos que vamos fazer algo pela “fé”, mas que não está na Escritura então estamos fadados ao fracasso, pois Deus não tem compromisso com o que não prometeu (Is 55.11).
2. CERTEZA QUE SE TRADUZ EM FIDELIDADE MESMO QUANDO TUDO DIZ QUE NÃO.
Fé e fidelidade são a mesma palavra em grego (pistis) e ambas se evidenciam na adversidade e não na bonança (Hb 11.35-40).

Sentença de Transição
BEM, SENDO ASSIM, VAMOS AVALIAR O QUE A FÉ TEM SIGNIFICADO PARA MUITAS PESSOAS HOJE, INCLUSIVE PARA LÍDERES CRISTÃOS.

II. FÉ NÃO É MAGIA, FILOSOFIA EPICURISTA OU ESTÓICA.
1. A FÉ NÃO É MAGIA.
Na magia o feiticeiro crê que se manipular corretamente determinados elementos forçará a divindade ou entidades espiritual a trabalhar a seu favor ou conforme a sua vontade (At 19.13-16).
2. A FÉ NÃO É A BUSCA PELO PRAZER (DOS EPICUREUS).
O fim supremo da vida é o prazer sensível (não necessariamente sensual); critério único de moralidade é o sentimento. O único bem é o prazer, como o único mal é a dor (Is 22.13).
3. A FÉ NÃO É A INDIFERENÇA PASSIVA COM A VIDA OU SOFRIMENTO (ESTÓICA).
A virtude estóica é, no fundo, a indiferença e a renúncia a todos os bens do mundo que não dependem de nós, e cujo curso é fatalmente determinado. Indiferença e renúncia à vida e à morte, à saúde e à doença, ao repouso e à fadiga, à riqueza e à pobreza, às honras e à obscuridade, numa palavra, ao prazer e ao sofrimento - pois o prazer é julgado insana vaidade da alma (Rm 12.1).

Sentença de Transição
Como então a fé se revela na prática? A fé é o que nos move para a glória de Deus. Vejamos.

III. FÉ É AÇÃO PARA A GLÓRIA DE DEUS
1. A FÉ AGE EM CONFORMIDADE COM O QUE DECLARA.
A – Pela fé Abel ofereceu a Deus um sacrifício superior (v.4).
B – Pela fé Noé (...) construiu uma arca para salvar sua família (v.7).
C – Pela fé Abraão, quando chamado, obedeceu e dirigiu-se (...) peregrinou (...), viveu em tendas (...). Porque “esperava a cidade que tem alicerces, cujo arquiteto e edificador é Deus” (vv.8-10).

     2. A FÉ NÃO NEGOCIA SUAS CONVICÇÕES E ABSOLUTOS MESMO DIANTE DO SOFRIMENTO.
A – “os quais pela fé (...) uns foram torturados (...) outros enfrentaram zombaria e açoites; outros ainda foram acorrentados e colocados na prisão, apedrejados, serrados ao meio, postos à prova, mortos ao fio da espada. Andaram errantes, vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, afligidos e maltratados”. (vv.37).

Sentença de Transição
Com base no que pudemos avaliar acerca da fundamentação da fé bíblica e sua atuação para a glória de Deus podemos concluir que:

CONCLUSÃO
1. A fé é a certeza nas promessas de Deus, que se traduz em fidelidade em qualquer situação. Boa ou não.
2. A fé não é magia, mas dependência da graça e da fidelidade divinas. Não é busca de prazeres, mas da glória de Deus. E também não é resignação passiva, mas atuação em não conformidade com o mundo.
3. A fé age em conformidade com o que crê e não negocia suas convicções e absolutos mesmo diante do sofrimento.