segunda-feira, 2 de julho de 2012

Estudos em Romanos - Capítulos 9,10 e 11


A EPÍSTOLA DE PAULO AOS ROMANOS
CAPÍTULO 9,10,11 – A ELEIÇÃO DE ISRAEL

TEXTO CHAVE: “DIGO pois: Porventura rejeitou Deus o seu povo? De modo nenhum, porque também eu sou israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim.”.        
Romanos 11.1

VERDADE TEOLÓGICA: “Deus predestinou o povo da promessa, e todo aquele que se apossa da promessa pela fé faz parte desse povo é predestinado com ele”. 
Ioséias C. Teixeira

ESTUDOS DE PREPARAÇÃO SEMANAL
Segunda-feira: Rm 9
Deus é soberano
Terça-feira: At 2.14-41
O plano soberano de Deus para salvação da humanidade.
Quarta-feira: Rm 10
O homem é responsável
Quinta-feira: Hb 3.7-12
O homem é responsável pelo seu destino.
Sexta-feira: Rm 11
Todo Israel será salvo.
Sábado: Jó 42.1-6
Os planos de Deus não podem ser frustrados.

LEITURA BÍBLICA CONGREGACIONAL
Romanos 11.1-6
1-DIGO pois: Porventura rejeitou Deus o seu povo? De modo nenhum, porque também eu sou israelita, da descendência de Abraão, da tribo de Benjamim.
2-Deus não rejeitou o seu povo, que antes conheceu. Ou não sabeis o que a Escritura diz de Elias, como fala a Deus contra Israel, dizendo:
3-Senhor, mataram os teus profetas, e derribaram os teus altares; e só eu fiquei, e buscam a minha alma?
4-Mas que lhe diz a resposta divina? Reservei para mim sete mil varões, que não dobraram os joelhos diante de Baal.
5-Assim pois também agora neste tempo ficou um resto, segundo a eleição da graça.
6-Mas se é por graça, já não é pelas obras: de outra maneira, a graça já não é graça.

ELUCIDAÇÃO TEXTUAL
Paulo considera mais detidamente se o fato histórico da apostasia dos judeus e o consequente desamparo da parte de Deus resultam na rejeição final e absoluta de Israel. Ele chega a uma conclusão negativa e vibra, cheio de esperança, ao reafirmar o fato do remanescente fiel e de uma eleição de entre eleitos. Depois, confia que, como os judeus contribuíram para a conversão dos gentios, assim estes serão os agentes da conversão dos judeus. O resultado do propósito divino será a inclusão de todos sob a graça (Cd-Rom Biblos).

INTRODUCÃO
Nossa lição abordará os planos de Deus para Israel e seu papel no plano de redenção da humanidade. Veremos ainda a soberania de Deus e a liberdade         humana coexistindo de forma misteriosa e inexplicável na Escritura, mas sem contradição.
Seja como for, os capítulos 9 a 11 de Romanos nos ensinam que há um Deus Todo Poderoso que está no controle pleno da história e que trabalha para a salvação do seu povo.
Que você seja edificado e abençoado nesta lição.
Boa aula.

I–DEUS É SOBERANO (Rm 9)
Segundo o Manual Bíblico Vida Nova, Paulo não poderia deixar de falar do privilégio que tanto judeus quanto gentios tinham recebido de serem justificados pelo Senhor sem falar no lugar de Israel no plano de Deus. Ele declara de forma enfática e emocionada a sua preocupação com os seus patrícios judeus. Eles ocupavam um lugar de destaque nos propósitos de Deus no passado. Tinham recebido a adoção, a glória, as alianças, a lei, as promessas, a adoração no templo e os patriarcas (vv.1-5).
Tudo o que aconteceu na história da redenção deveu-se à fidelidade de Deus à promessa feita a Abraão e a seus descendentes. O dilema para Paulo era como Israel, como beneficiário de todas as bênçãos, pôde deixar de receber e reconhecer o Messias prometido.
Paulo encontrou a resposta no fato de que Deus escolheu Abraão, mas nem todos os descendentes de Abraão recebem a promessa (9.6-13).  O apóstolo está tratando aqui da questão da soberania de Deus (vv.6-24). Ele não está abordando a questão da predestinação de indivíduos para a salvação, mas da escolha soberana de Deus no governo das nações com vistas a funções mundiais, de modo a trazer, por fim todos subordinados a Si, embora a declaração forte do versículo 16 possa incluir indivíduos, como outras passagens incluem (At 2.23; 4;28; 13.48; Rm 8.28-30). Cabe aqui uma citação do professor Henry H. Halley que parece muito pertinente ao caso: “Como conciliar a soberania de Deus com a liberdade da vontade humana não sabemos. Ambas doutrinas são claramente ensinadas na Bíblia”. (Manual Bíblico de Halley, pg. 519).
Paulo afirma que Deus não é injusto por decidir mostrar o seu poder para que seu nome seja proclamado na Terra (9.14-17). Por sua soberania o Senhor escolheu Israel para servir aos seus propósitos. Somente pela fé as pessoas são declaradas justas perante Deus. Aqueles que tentaram fundamentar sua justiça sobre qualquer outra base tropeçam em Cristo, a pedra de tropeço (9.27-33).

II–O HOMEM É RESPONSÁVEL (Rm 10)      
Na capitulo 10 Paulo explica que apenas um remanescente de Israel creu no passado (9.27-29). Ao rejeitar Jesus Israel estava seguindo um precedente aberto bem antes. O zelo dos judeus era elogiável, mas, mesmo assim, errado (10.1-4).
Não havia e não há outra forma de ser aceito por Deus senão mediante a fé em Jesus Cristo, que está ao alcance de todos (10.5-13). Aqueles que creem com o coração e confessam com os lábios o senhorio de Jesus sobre as suas vidas serão salvos (10.9,10). Contudo, as pessoas não podem crer se não podem ouvir e não podem ouvir se não houver quem lhes pregue (10.14-21). O triste é que Israel ouviu, mas mesmo assim não quis acreditar e rejeitou a mensagem do Altíssimo (Manual Bíblico Vida Nova).
Deus não levou os judeus a rejeitar a Jesus. Eles o fizeram por conta própria. É simplesmente uma questão de ouvir (vv.8-17). Os judeus ouviram e voluntariamente desobedeceram (vv.18-21) (Manual Bíblico de Halley).
É notável observar que enquanto no capítulo 9 Paulo fala da soberana vontade de Deus quanto a Israel, no capítulo 10 ele aborda a questão da liberdade de escolha de Israel quanto à pessoa de Jesus e da necessidade de uma decisão pessoal e consciente de se crer e confessar Jesus como Salvador e Senhor.
Embora seja impossível ao homem compreender com exatidão como a soberania divina e a liberdade humana são compatíveis, não devemos duvidar de nenhuma delas visto que a Escritura as ensina de forma muito clara e a vida prova de forma evidente que todos somos livres para tomar nossas decisões, mas todos estamos sujeitos à incógnita do amanhã porque ela pertence ao Altíssimo.

III-OS PLANOS DE DEUS NÃO PODEM SER IMPEDIDOS (Rm 11)
Continuando seu raciocínio Paulo passa a falar no capítulo11 acerca da futura salvação de Israel, visto que Deus não desiste dos seus planos e eles jamais se frustram (11.1-24; Jó 42.2). O apóstolo afirma que a rejeição de Israel é temporária. Resultou na salvação dos gentios, mas virá o dia em que todo Israel será salvo (v.26). Quando Israel rejeitou o Senhor a oportunidade foi dada aos gentios, que foram enxertados na árvore (11.17-21). Mas isso não deve ser motivo de orgulho para os gentios, mas de fruto da graça e misericórdia de Deus (11.22-24).
Deus ainda tem um futuro e um propósito para Israel (11.25,26). Os gentios são salvos por causa do endurecimento temporário da nação judia, que perdurará até que o número completo dos gentios venha para Deus (11.25). Depois disso todo Israel será salvo (11.26.27).
O apóstolo dos gentios termina esse bloco teológico celebrando a Deus por sua infinita sabedoria ao revelar o Seu plano para judeus e gentios (11.33-36).
Na verdade, aprendemos uma valiosa lição nesse trecho da Escritura: ainda que não entendamos com perfeição os planos de Deus e ainda que eles nos pareçam até mesmo incongruentes ou paradoxais, sempre resultarão em bênção.

CONCLUSÃO
Romanos 9 a 11 ensina que Deus está no controle da História e que nada pode frustrar os Seus planos.
Aprendemos que devemos confiar no Deus da História, pois Ele está fazendo o melhor para todos nós e no final Ele será glorificado por isso.
Descanse na certeza de que a sua vida não está entregue ao acaso. Há um Deus no céu que cuida do Seu povo e trabalha para o bem daqueles que nele esperam (Is 64.4).

GLOSSÁRIO
Patrícios – compatriotas, conterrâneos.
Paradoxais – contrários à lógica.
Incongruentes – contraditórios, incoerentes.