sexta-feira, 29 de junho de 2012

Estudos na Epístola aos Romanos - Capítulo 6


CAPÍTULO 6 – Mortos para o pecado e vivos para deus

TEXTO CHAVE
De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida”.
Romanos 6.4

VERDADE TEOLÓGICA
A única cura possível para o pecado nesta vida é a morte. Se nossa natureza carnal não morrer a nova vida em Cristo não será possível e o pecado continuará sendo o nosso senhor.
Ioséias C. Teixeira

ESTUDOS DE PREPARAÇÃO SEMANAL                                                                  Segunda-feira: Rm 6.1-11                                                                                                           Libertos do Pecado
Terça-feira: Jo 8.31-36
Somente em Jesus é possível ser livre.
Quarta-feira: Rm 6.12-14
Vitoriosos sobre o pecado
Quinta-feira: Gl 2.16-21
Crucificados para o pecado para que a vida de Cristo se revele em nós.
Sexta-feira: Rm 6.15-23
Ressuscitado para Deus
Sábado: Mt 10.28; Ef 2.1; Ap 20.14
O salário do pecado é a morte física, espiritual e eterna.

LEITURA BÍBLICA CONGREGACIONAL
Romanos 6.1-4
1 - QUE diremos pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde?
2 - De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?
3 - Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte?
4 - De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.
ELUCIDAÇÃO TEXTUAL
Nosso texto base para esse estudo fala da incompatibilidade entre o pecado e uma vida que morreu com Cristo para o pecado, a fim de viver em uma vida totalmente nova para a glória do Pai.

INTRODUÇÃO                                                                                     
O capítulo 6 de Romanos é uma explanação fantástica sobre a condição do cristão após o início da sua vida com Cristo.
Parece que algumas pessoas estavam deturpando o evangelho ensinando que já que “onde abundou o pecado superabundou a graça de Deus” então quanto mais pecados cometemos tanto mais a graça experimentamos.        No entanto, Paulo destrói essa falsa lógica com um argumento de que a única forma de experimentar a graça de fato é morrendo para o pecado, assim como um escravo que só sai debaixo da autoridade do seu dono depois de morrer, nós só saímos debaixo do poder do pecado depois de morrermos com Cristo para ressuscitar com ele em novidade de vida.
Enriqueça a sua vida com o conteúdo desse capítulo de Romanos expondo suas dúvidas com clareza e sinceridade para que possa aprender mais sobre Deus e ajudando a esclarecer aos que têm dúvidas que você pode esclarecer com o que já conhece. Deus te abençoe e ótima aula.

I – LIBERTOS DO PECADO (vv. 1-11).
Neste capítulo Paulo procura responder a uma ideia que é muito comum: “Se a graça é maior para aqueles que mais pecam, então podemos pecar a vontade para que a graça seja maior em nossa vida”.
Essa pergunta, aparentemente muito lógica e até mesmo piedosa (v.1), traz consigo uma armadilha perigosa, pois além de lógico, esse pensamento é também conforme nossa natureza pecaminosa. Portanto, está de acordo com o nosso desejo humano pelo pecado, que é tão agradável. Conforme afirma o pastor Ary Veloso, da Igreja Batista do Morumbi: “A pergunta é colocada de tal maneira que parece até piedosa; em outras palavras: ‘Já que estamos justificados, salvos para sempre, então não precisamos mais nos preocupar com o pecado? ’” (Veloso).
Há um grande prazer, ainda que apenas no momento, quando “colocamos o outro no seu devido lugar”, “mantemos relações sexuais ilícitas”, “denegrimos a imagem de alguém”, etc. Afinal, o que é proibido é mais gostoso, não é?
Mas Paulo acaba com a alegria dos proponentes dessa teologia equivocada com um forte brado: “De maneira nenhuma!” (vv. 2,3). Se formos de Cristo e fomos batizados nele, então morremos para o pecado. Ou seja, ainda que o pecado não esteja morto em nós (a falsa ideia de que uma vez salvo, não peco mais), precisamos morrer para ele mediante uma vida de luta e vitória sobre o pecado e suas tentações! (Veloso)
Uma coisa é aceitar o que Cristo fez por você, outra é experimentá-lo de maneira pessoal e real. Estar em Cristo implica em uma relação de contínua comunhão. Isso é o que nos proporciona a possibilidade de viver em novidade de vida, dedicada à glória do Altíssimo Deus e não mais do pecado.
Paulo passa a mostrar que nossa união com Cristo se dá no nível da morte constante da natureza carnal para o pecado, que resulta numa ressurreição espiritual que é caracterizada por uma nova vida que foi justificada das suas transgressões (vv.5-7).
Morrer com Cristo significa dizer que o resultado da morte de Jesus por nós é a nossa morte para o pecado, a fim de vivermos em comunhão eterna com o Salvador que não permaneceu morto, mas ressuscitou para que tenhamos vida nova nele para a glória de Deus (vv.8-10).
Por isso, devemos nos considerar mortos para toda e qualquer modalidade de pecado para viver para Deus, nosso Senhor.

II – VENCEDORES SOBRE O PECADO (vv. 12-14).
Nestes três versículos Paulo ensina três princípios importantes para a vida cristã. No versículo 12 o apóstolo dos gentios nos adverte que deixemos de coroar o pecado como o rei do nosso viver. Ele não pode ter domínio sobre o servo de Deus. Como afirma John Murray: “Dizer ao escravo para não se comportar com tal é zombar da sua escravidão; mas dizer o mesmo ao escravo que já foi libertado é o apelo necessário para que ele ponha em prática os privilégios e direitos de sua libertação”.
Sendo assim, é preciso oferecer nosso corpo a Deus como instrumento da Sua justiça; isto é, da Sua graça (v.13). Porque o pecado já perdeu todo o domínio que exercia sobre nós, já que morremos para ele e ressuscitamos para Deus. Rompemos com o pecado em nossas vidas para poder experimentar uma vida de vitória.
A graça nos matou para o pecado. Você está realmente morto para o pecado? Essa resposta e as consequências dela cabem somente a você. 

III – ressuscitados para deus (vv. 15-23).
Paulo sabia que a lógica pecaminosa poderia deturpar o ensino da graça. Por isso, ele reforça o argumento do versículo 1 a partir de uma nova perspectiva. Outros poderiam argumentar que o fato de não estarmos debaixo da Lei nos daria a liberdade para pecar sem ser punidos; então Paulo rechaça essa interpretação com veemência e muita capacidade teológica.
O apóstolo usa a imagem do mercado de escravos dos seus dias. O escravo está obrigado a servir ao seu senhor até a morte. Depois de morto esse escravo não mais está sujeito às ordens do seu dono, que já não tem mais poder sobre ele. Dessa forma acontece com o cristão. Éramos escravos do pecado, mas ao morrermos com Cristo o pecado perdeu o seu poder sobre nós e podemos viver para a justiça de Deus (vv.15-18).
Depois de apresentar essa defesa de uma vida de morte para o pecado Paulo aponta a razão para isso (vv.19-21): É impossível servir ao pecado e à justiça ao mesmo tempo (Mt 6.24).
Concluindo seu raciocínio Paulo faz um contraste entre o que era a vida antes de Cristo e o que é a vida com Cristo (vv.22,23).
William Hendriksen mostra esse contraste ao comentar esse texto mostrando que “        anteriormente, escravidão; agora, liberdade! Anteriormente, escravos do pecado; agora, servos de Deus! Anteriormente, vício; agora, santidade! Anteriormente, vergonha; agora, paz mental! Anteriormente, morte;            agora, vida sim! Vida eterna!”.
O pagamento do pecado é a morte em todas as suas formas: física (Mt 10.28), espiritual (Ef 2.1) e eterna (Ap 20.14). Já a vida eterna é um presente totalmente gratuito, sem mérito de quem a recebe. Ela foi paga, mas não pelo pecador, mas por Jesus para o pecador!  (Veloso)

CONCLUSÃO
O cristão verdadeiro sabe, logo ao se converter, que a sua vida passou a ter novos padrões de conduta para a glória de Deus. Seu alvo já não é mais viver em conformidade com a Lei. Ele não está mais subjugado às prescrições legais, vive agora para agradar o Cristo que cumpriu a Lei por ele e o remiu dos seus pecados. Por isso Deus o justificou e lhe enviou o Seu Espírito Santo para que more em seu espírito e lhe as condições necessárias de viver para a glória do Trino e Poderoso Deus de todo Universo. Aleluia!
Se entendemos essa maravilhosa realidade na sua plenitude vivemos em um constante estado de felicidade e alegria que resulta na glória de Deus.

GLOSSÁRIO
Explanação – discurso, explicação.
Deturpando – corrompendo, desvirtuando, pervertendo.
Perspectiva – ponto de vista.