sexta-feira, 8 de junho de 2012

A EPÍSTOLA DE PAULO AOS ROMANOS CAPÍTULOS 2 E 3 – TODOS PECARAM


Leitura Bíblica Congregacional
Romanos 3.20-26
20-Por isso nenhuma carne será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado.
21-Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas;
22-Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que creem; porque não há diferença.
23-Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
24-Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
25-Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;
26-Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.

Elucidação Textual
O texto de nossa Leitura Bíblica Congregacional expressa a imparcialidade de Deus em tratar o homem como digno de juízo e em lhe proporcionar a justificação por meio de seu Filho Jesus. Uma vez que todos somos pecadores, carecemos da graça de Deus e de sua misericórdia. E Ele nos oferece essa graça e misericórdia por meio do sacrifício do Senhor na cruz do Calvário para aqueles que creem nele.
 
Introdução
Nessa lição vamos continuar a analisar o ensinamento de Paulo acerca da condição humana sem Deus e da proposta de Deus para salvar os que creem.
Paulo começa mostrando a justiça de Deus como sendo imparcial e aplicável a todos. Depois mostra que os judeus são tão pecadores quanto os gentios. Sendo assim, todos pecaram e estão separados da graça de Deus. No entanto, o Senhor tem um plano salvador para a humanidade e uma propiciação para a salvação dos que creem.
Desfrute desse tema tão maravilhoso e contribua para o crescimento de todos, inclusive o seu, enriquecendo sua aula com comentários e debates, ouvindo e falando em tempo oportuno.
Deus te abençoe.

                  I – OS CRITÉRIOS DO JULGAMENTO DIVINO (Rm 2.1-16).
Paulo deixa claro que Deus julgará os pecados da humanidade (Richards, 2004)
A humanidade está cega em relação ao seu estado real (2Co 4.4) e Paulo mostra isto com muita clareza nos vv.2,3, deixando claro que quando alguém julga a outro ele está tentando (ainda que inconscientemente) tapar ou esconder o seu pecado,acreditando com isso escapar do juízo divino. Isso se aplica a todos que se julgam muito bons e dizem: “eu não sou como fulano que...”. 
Todos precisam saber que “Deus vê o motivo atrás das ações e não necessita de jurados e testemunhas, pois Ele mesmo é Testemunha, Jurado e Juiz!” (Veloso).
Deus julgará todos os pecadores. Não podemos condenar levianamente a quem quer que seja, pois isso também é pecado e, por isso, nos tornamos passíveis do juízo (Mt 7.1; Lc 6.37). “O juízo divino é conforme os mais profundos aspectos da revelação de Deus, sendo um deles a verdade, e não dará lugar ao ‘jeitinho brasileiro’” (Veloso).
Os judeus eram muito orgulhosos com relação ao seu conhecimento maior que os gentios. Eram os portadores da Lei e a conheciam muito bem. Mas somente isso não era suficiente; muito mais importante do que conhecer o bem é fazê-lo (v.7-11).
O Senhor recompensará a cada um com imparcialidade (vv.6,11). A quem pratica o bem recompensas aqui e no porvir (vv.7,10), e aos que praticam o mal o juízo (vv.8,9). Tanto a justiça quanto a recompensa são inevitáveis e segundo a nossa conduta. A Escritura ensina com muita clareza que o sábio trabalha por recompensas permanentes (Pv 21.21; 22.4) (Keener, 2004).
Paulo deixa claro que todos serão julgados. Os que têm maior conhecimento da verdade com mais severidade do que os que não têm. Tanto judeus como gentios estão em situação idêntica diante de Deus, pois todos os que pecaram serão julgados imparcialmente (v.12), a menos que creia na expiação e seja perdoado pelo Senhor Jesus (Cf. Rm 3.24-26). Pois não adianta saber a Escritura, é preciso vive-la; porém isso só é possível quando, por meio de Jesus, a lei de Deus é escrita no nosso coração (Rm 8.2;Jr 31.33) (Keener, 2004).

II – OS JUDEUS PECARAM (Rm 2.17-3.9)
A partir de Romanos 2.17 até 3.9 Paulo passa a falar especificamente acerca dos judeus. Eles se gloriavam na Lei e em ser o povo eleito de Jeová.
O apóstolo dos gentios acusa o judaísmo de haver se tornado uma religião de formalismo e aparência, que mesmo tendo uma série de vantagens espirituais (Rm 3.1,2), se vangloriava das suas tradições humanas e que se caracteriza pela incredulidade (Rm 3.3). Contudo, essa conduta do povo judeu não anula a justiça de Deus (Rm 3.4-8).
Encerrando o seu raciocínio, Paulo deixa claro com seu argumento que tanto os gentios quanto os judeus estão debaixo do pecado (Rm 3.9). Ele demonstrou, um por um, os quadros da pecaminosidade humana: “a enorme depravação de grande parte do mundo gentílico da época (1.18-32); a justiça hipócrita dos moralistas (2.1-16);             e a arrogância do povo judeu, marcada pela anomalia de gabar-se da lei de Deus e ao mesmo tempo quebrá-la (2.17-3.8)” (Veloso).
Temos que tomar muito cuidado para não cairmos na culpa dos judeus. Não podemos nos permitir tornar moralistas hipócritas, nem arrogantes com relação à nossa religiosidade, julgando-nos melhores que os outros e julgando nossos irmãos impiedosamente à luz de um tradicionalismo humano que se torna maligno de tão agressivo e cruel que é, pois Deus não tem o culpado por inocente (Ex 34.7; Nm14.18; Na 1.3).
Como você trata os irmãos que possuem tradições diferentes da sua? Você é tolerante ou impiedoso? Lembre-se o Senhor é o juiz e não nós. Não cometamos o mesmo erro do povo judeu.

III-TODOS PECARAM (Rm 3.10-31)[1]
O judeu pergunta: tenho ou não “vantagens”?
Paulo responde: sim, os judeus ocupam uma posição vantajosa. Afinal, Deus confiou a eles a sua revelação escrita, ainda que parcial. Os judeus sempre foram objeto do amor e dos livramentos de Deus na história (leia Rom 9:4-5 e faça uma lista delas) (Veloso).
Porém, os judeus pensavam que a sua vantagem repousava no fato de não estarem sujeitos a nenhum juízo por serem o “povo de Deus”. Entretanto, Paulo deixa claro para eles que essa vantagem inexiste para qualquer ser-humano (Rm 3.10), pois todos estão debaixo do pecado (Rm 1.18-3.20).
Entre os versículos 10 a 19 de Romanos 3 Paulo expõe vários textos da Escritura (Sl 14.1-3; Sl 53.1-3; Ec 7.20; Sl 5.9; Sl 140.3; Sl 10.7; Sl 59.7,8; Sl 36.1) para provar que a humanidade é totalmente depravada. 
Contrariando a Bíblia, o pensamento humano é que nós somos bons por natureza e que o que nos faz tornar maus é o meio em que vivemos. É óbvio que o meio em que vivemos exerce certa influência, mas apenas vai nos ajudar a dar vazão ao que está no nosso coração.
Nossa natureza maldosa se revela desde a infância. As crianças riem muito quando ao assistirem a um desenho animado veem o “mocinho” do desenho batendo ou ferindo, de alguma forma, o seu oponente. Elas se divertem por um ato de violência. A mesma sensação tem os adolescentes, jovens e adultos quando assistem a um desenho, filme, novela ou disputa esportiva.  
Nestes versículos de Romanos 3 Paulo deixa claro, como ensina o pr. Ary Veloso (Ig.Batista do Morumbi), que sem Jesus todo homem é depravado no caráter (caráter é o que você é – vs.10-12), depravado na conversa (conversa é o que você diz – vs. 13-14), depravado na conduta (conduta é o que você faz – vs. 15-17), depravado na atitude (atitude é a sua postura diante de Deus – v.18). E tudo isto é o resultado de uma vida sem temor a Deus! (v.18, citando Sl 36.1). “Portanto, ninguém será declarado justo diante dele baseando-se na obediência à Lei, pois é mediante a Lei que nos tornamos plenamente conscientes do pecado” (Rm 3.20) (Veloso).
“Paulo acabara de dar a “má notícia”: todos os homens e mulheres são pecadores, ninguém jamais viveu ou viverá conforme os padrões estabelecidos por Deus”.
“Porém agora é como se Paulo deixasse de ser o promotor que acusa e passa a ser o advogado de defesa. Com duas palavras pequenas (porém de uma importância extremamente significativa): “mas agora”; ele muda tudo, passando para um clima de vida, alegria e esperança” (Veloso).
Paulo responde a pergunta mais importante que uma pessoa pode fazer nessa vida: Como posso ter certeza de que vou para o céu e viver em paz essa vida? O Judaísmo diz que é através da obediência à Lei Mosaica. O Hinduísmo afirma que é através de boas obras que se torna uma pessoa “iluminada”. O Budismo nega a existência de um Deus pessoal. A Nova Era ensina que é através da libertação da lei do karma e da reencarnação. E o Espiritismo declara que é através de sucessivas reencarnações. Contudo, o Cristianismo nos ensina que Jesus Cristo é o que nos Justifica (Rm 5.1), Redime (1Co 7.23) e Propicia (1Jo 2.2; 4.10) um sacrifício perfeito que afasta a ira de Deus de sobre aqueles que aceitam, pela fé, o seu sacrifício (Rm 3.21-31; cf. Rm 5.1; 1Co 7.23;).
Essa é a resposta de Deus para a grande pergunta da humanidade sobre a sua eternidade. A graça maravilhosa de Deus oferecida por meio de Jesus a todos os que pela fé se apoderam dela. Você tem experimentado e vivido essa graça?
  
Conclusão
Embora todos sejamos pecadores e depravados por natureza, o Senhor Deus proporcionou uma oportunidade de salvação por meio de seu Filho Jesus.
Como vimos, Paulo deixa claro que o juízo de Deus é justo e que nenhum ser-humano tem o direito de reclamar inocência. Também explicou que o judeu não é especial em relação aos demais povos no que se refere à salvação. Todos são igualmente pecadores e carentes da graça e misericórdia de Deus. Em suma, todos somos pecadores, mas graças a Deus que nos oferece a sua salvação por Cristo Jesus, nosso Senhor.

Glossário
Empedernidos – duros como pedra, insensíveis.
Depravada – corrompida, deturpada, pervertida.


[1] Capítulo amplamente baseado no conteúdo dos estudos na epístola de Romanos, do pastor Ary Veloso, disponível no site: www.ibmorumbi.org.br