quinta-feira, 28 de junho de 2012

Conhecendo a nossa identidade.



“Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, por ordem de Deus, nosso Salvador, e de Cristo Jesus, a nossa esperança, a Timóteo, meu verdadeiro filho na fé: Graça, misericórdia e paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus, o nosso Senhor”.
1 Timóteo 1.1,2

Introdução:
Talvez uma das coisas mais difíceis hoje seja a capacidade humana de entender qual a razão da sua existência. Por que ele veio a essa terra? Quem é ela? Por que ela é quem é? E para que ela está onde está?
Nesta breve mensagem quero refletir sobre o ministério. Quem somos, porque somos e para quem somos.
Que o Senhor nos abençoe e nos comunique a sua Palavra com graça e poder.
     I.        Quem você é.
a.  “Paulo, apóstolo de Cristo Jesus (...)” (v.1a).
b.  Se somos alguma coisa, somos por graça e misericórdia de Deus, que do céu nos deu essa honra (Jo 3.27).
   II.        Porque você é o que é.
a.  “(...) por ordem de Deus, nosso Salvador, e de Cristo Jesus, a nossa esperança” (v.1b).
b.  Assim como Paulo, nenhum de nós ocupa uma função no Reino por auto-recreação ou escolha pessoal, mas por ordem de Deus e de Cristo, pois não pertencemos a nós mesmos; somos escravos comprados por um alto preço (1Co 6.20).
 III.        Para quem você é.
a.  “a Timóteo, meu verdadeiro filho na fé” (v.2).
b.  Paulo aqui se refere a Timóteo porque, obviamente, trata-se de uma carta pessoal. Por isso, Paulo era um “enviado” de Jesus para Timóteo, como verdadeiro pai na fé, que queria ver seu filho espiritual se desenvolver ministerialmente.
c.   Também nós fomos dados à Igreja para trabalhar o aperfeiçoamento dos santos (Ef 4.12) como pais espirituais que olham para as suas ovelhas como “filhinhos” (1Jo 2.1).
Conclusão;
Paulo escreveu para um jovem pastor a fim de orientá-lo no apascentamento do rebanho do Senhor.
Contudo, o santo homem sabia muito bem quem era e inicia a sua carta deixando claro que ele era um enviado (apóstolo) de Jesus para fazê-lo conhecido onde lhe fosse possível. Mas sabia que essa posição, embora honrosa, não se tratava de motivo de orgulho, pois ele era o que era por ordem de Deus e de Jesus porque era escravo comprado por um muito bom preço para servir à Igreja de Jesus com os dons que Ele mesmo lhe deu.
Como Paulo, assim sou eu e é você. Ocupamos uma posição de honra como líderes do rebanho do Senhor, mas não por méritos ou capacidade, e sim porque fomos comprados pelo sangue de Jesus na Cruz e que o nosso dono nos usa no trabalho que quer para que possamos glorifica-lo com a nossa vida para o bem as sua amada igreja.
Que o Senhor nos abençoe cada dia mais e nos ajude a enxergar e assimilar isso em nossa vida diariamente.