sábado, 19 de maio de 2012

Jesus, o Mestre do perdão

Vivemos dias em que o "orgulho próprio" é tido como uma virtude. Afinal, "quem não se garante não tem espaço nesse mundo", dizem os defensores dessa premissa.
Como consequência dessa postura as pessoas não sabem mais o que é perdoar. Elas estão tão preocupadas em "se garantirem" que, mesmo os cristãos, quando têm um conflito e depois "se acertam" dizem que se perdoaram, mas basta haver um novo estresse entre ambos e aquele "defunto" é desenterrado e todas as antigas diferenças são trazidas à tona novamente e, muitas vezes, com mais amargura. Isso não é perdão, é, na melhor das hipóteses, contenção dos instintos agressivos por determinado período. Porém, basta uma "fagulha" para que todo rancor e mágoa venham à tona novamente.
Mas Jesus ensina, no seu discurso, que é preciso perdoar para que sejamos perdoados (Lc 6.37) e ensina ainda com maior profundidade o que é perdoar através do seu exemplo pessoal. Pouco antes de sua crucificação o Senhor foi traído por Judas, negado por Pedro e abandonado pelos outros dez discípulos. Contudo, após a ressurreição ele diz às mulheres que foram ao túmulo planejando ungir um cadáver: "(...) Não temais! Ide avisar a meus irmãos que se dirijam à Galileia e lá me verão" (Mt 28.10). Que maravilhoso, Jesus não menciona nada referente à atitude dos seus discípulos três dias antes; ele os chama de "meus irmãos". Não há nenhuma palavra amargurada ou rancorosa.
Algum tempo depois o Senhor aparece no meio dos discípulos e simplesmente diz: "Paz seja convosco!" (Lc 24.36). Nenhuma palavra de acusação, nenhuma repreensão pela covardia deles, apenas perdão e comunhão. O silêncio de Jesus acerca do ocorrido tempos antes é fantástico. Ele não havia esquecido o acontecido, ele os havia perdoado.
O Mestre e Senhor de nossas vidas nos ensina por seu exemplo que perdoar não é esquecer. Perdoar é nunca mais lançar em rosto o erro do outro, é se lembrar do fato sem nutrir amargura ou ódio, pois como nos ensina a Escritura: "o amor não guarda rancor" (1Co 13.5). É também não se auto exaltar, não expor a "nossa virtude" em detrimento das falhas dos outros. Em suma, perdoar é seguir o exemplo de Jesus.
Que o Senhor nos abençoe e nos ensine a perdoar como Ele hoje e sempre.