sábado, 17 de setembro de 2011

A PROMESSA DA IGREJA TRIUNFANTE

TEXTO-CHAVE: “Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;”.

Mateus 16.18

VERDADE TEOLÓGICA: “A Igreja é indestrutível porque está edificada sobre uma base eterna: A Verdade absoluta de que Jesus Cristo é o Filho Unigênito de Deus”.

Pr. Ioséias


ESTUDOS DE PREPARAÇÃO SEMANAL

Segunda-feira: 1Pe 2.1-5
     Igreja: Pedras vivas do edifício de Deus.

Terça-feira: 1Pe 2.6-10
     Igreja: Sacerdócio real, povo adquirido para anunciar as grandezas de Deus.

Quarta-feira: Ef 2.20-22
     Igreja: A edificação de Jesus.

Quinta-feira: 1Pe 5.8-11
     Igreja, cuidado! O diabo está ao derredor buscando a quem possa tragar.

Sexta-feira: Jo 13.31-35
     Igreja: O amor é o que te identifica com Cristo.

Sábado: Mt 16.13-19
     Igreja: Se alegre, pois o inferno não pode destruí-la!

Leitura Bíblica Congregacional
     Mateus 16:13-19

13 - E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do homem?
     14 - E eles disseram: Uns, João o Batista; outros, Elias; e outros, Jeremias, ou um dos profetas.
     15 - Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou?
     16 - E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.
     17 - E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus.
     18 - Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;
     19 - E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.

ELUCIDAÇÃO TEXTUAL
     Nosso texto da Leitura Bíblica Congregacional fala de uma declaração maravilhosa daquele que seria o apóstolo inaugurador da Igreja, Pedro (At 2). Ele declarou com firmeza que Jesus era o Cristo, o Filho de Deus, e a partir dessa declaração dele Jesus começou a ensinar-lhes sobre o fundamento pelo qual a Sua igreja seria edificada: a convicção de que Jesus é o Filho de Deus, Salvador da humanidade. Por esse motivo essa igreja seria indestrutível e o inimigo jamais a conseguiria destruir, uma que ela é sustentada pelo Todo-Poderoso Filho de Deus.

INTRODUÇÃO
     Permanecendo firmes em nossos estudos acerca das promessas de Deus hoje analisaremos um texto muito conhecido pelos cristãos em todo o mundo: A promessa de que as portas do inferno jamais prevalecerão contra a Igreja de Jesus.
     Como veremos, a glória da Igreja consiste no fato de ela ter sido alcançada pela graça de Deus que nos é ofertada em Jesus, que nos tirou da “pedreira” do mundo para nos fazer “tijolos” na edificação da Sua igreja. Contudo, a vida da igreja não é isenta de lutas, pois ela tem um inimigo implacável, que jamais desiste de destruí-la. Entretanto, a Igreja está guardada em Jesus e aqueles que são parte dela não poderão jamais ser destruídos pelo inimigo.
     Dê sua contribuição para o esclarecimento e a ampliação do tema para que você possa crescer e ajudar outros a crescer em conhecimento diante de Deus.

I-A GLÓRIA DA IGREJA
     Os teólogos dividem a igreja em “Igreja militante” e “Igreja triunfante”. A igreja triunfante é aquela da qual fazem parte os irmãos que foram estar com o Senhor. Terminaram suas lutas e pelejas e agora descansam aguardando o arrebatamento de todos os santos e a consumação da obra de Deus no céu e na terra. Nós, entretanto, fazemos parte da igreja militante. Ainda estamos nesse mundo de desordem e luta.
      A Igreja é tão gloriosa que meras palavras não a conseguem descrevê-la. Ela é uma edificação espiritual composta de cristãos individuais. Fomos colocados nesse edifício pela graça de Deus. Foi ela que nos encontro na “pedreira” da humanidade. Foi a graça que nos retirou de lá, que nos quebrou e lavrou. Foi a graça que nos transformou em pedras vivas e nos inseriu na igreja (Ef 2.20-22).
     A Igreja é gloriosa por causa dessa graça. Não merecíamos fazer parte da igreja assim como os outros “materiais” da “pedreira da humanidade”. Éramos pecadores como os demais. Havíamos quebrado a santa lei de Deus e merecíamos somente ira e condenação. Mas essa indescritível e incomparável graça de Deus enviou o Senhor Jesus Cristo à cruz do Calvário. Ali ele recebeu, em si mesmo, o castigo que legalmente era nosso. Ali ele derramou seu sangue por nós. Nas palavras do apóstolo Paulo: “Cristo amou a sua igreja e se deu por ela” (Ef 5.25).
     Agora a igreja pertence a Cristo. Ela é sua possessão comprada e estimada e ele tem um propósito para ela. Ela deve anunciar as grandezas dele (1Pe 2.9,10).
     A Igreja, portanto, é gloriosa por causa da “pedreira” da qual ela foi tirada (a pedreira do pecado), por causa da graça que a comprou e por causa do propósito que o Senhor tem para ela. Mas ela é odiada pelo diabo, que tanto se empenha para destruí-la, como veremos abaixo.

II-SATANÁS ODEIA A IGREJA
     Embora a igreja seja gloriosa e amada por nós há alguém que a odeia na mesma intensidade com que Cristo Jesus a ama. Ele a odeia porque perdeu o domínio que tinha sobre os que hoje são membros da igreja, como faz com os demais pecadores que ainda estão sob a sua influência e poder. Cada membro da igreja era parte da “pedreira” de Satanás e o Senhor Jesus os tirou de lá para edificar sua casa espiritual.
     Satã também odeia a igreja porque ela representa tudo o que ele detesta. Ela foi formada para demonstrar a glória da redenção em Jesus, para ser santa, pura, justa e amorosa e isso a torna odiosa aos olhos do maligno.
      Por este ódio tão intenso, Satanás está continuamente empenhado em destruir a igreja, minando as forças de cada um de nós individualmente ou atacando o Corpo de Cristo coletivamente. Entretanto, Jesus fala das portas do inferno e afirma que elas jamais prevalecerão sobre a Igreja de Cristo (Mt 16.18). Portas eram lugares onde homens nobres se reuniam para tomar decisões importantes e também são locais de acesso. Portanto, o que Jesus está ensinando aqui é que os intentos infernais de Satã e suas tentativas de acesso à Igreja do Senhor sempre serão frustradas no que concerne à destruição do Corpo de Cristo, mas podem e, infelizmente, algumas vezes acabam por destruir a vida de alguns cristãos que dão “brechas” para o inimigo entrar em sua vida e destruí-la (1Pe 5.8).
     As falsas doutrinas, a hipocrisia, o julgamento temerário do irmão, a dissensão, a perseguição, a apatia, o egoísmo, a infantilidade, a raiva, o ressentimento, o espírito crítico e tudo o que traz tristeza e divisão à Igreja e entristece o Espírito Santo vêm direto das portas inferno.
     Cada vez que a Igreja se reúne para adorar o céu e o inferno se defrontam em uma batalha. Cada vez que a igreja sai para ministrar neste mundo perdido, o inferno resistirá a ela. Mas, graças a Deus a Igreja tem uma segurança inabalável que analisaremos a seguir.
                                                                 
     III–A SEGURANÇA DA IGREJA          
     Bem, diante do fato de que estamos em batalha precisamos nos perguntar: Qual será o resultado dessa luta? A Igreja pode passar por momentos em que parece que ela vai expirar, deixar de existir, mas não precisamos nos preocupar com a Igreja porque ela está edificada sobre a rocha inabalável, Jesus Cristo (v.16; 1Pe 2.4).
     O nome Pedro é de origem grega e significa “pedra”, geralmente se referindo a uma pequena pedra. E ao fazer tal declaração de fé com respeito ao Senhor Jesus, o Mestre faz um jogo de palavras com o nome de Pedro dizendo: “Você é uma pequena pedra, mas eu fundarei a minha igreja sobre esta grande pedra”. Isto é, a pedra inabalável sobre a qual a igreja seria edificada era a convicção de que Jesus é o Cristo Salvador, o Filho do Deus vivo.
     Jesus é o fundamento da Igreja. Portanto, a Igreja é inabalável e indestrutível porque está estabelecida na fé na pessoa do Filho de Deus.
     Alguém poderia perguntar: “Mas por que então vemos igrejas sendo fechadas?” Ou ainda: “Por que o inferno prevalece sobre alguns cristãos, visto serem a expressão individual da igreja?” Bem, primeiro é importante frisar que denominações não são a Igreja de Cristo, mas expressões dela, e portanto, Jesus não tem compromisso com denominações, mas com a Sua Igreja dentro delas. Segundo, porque nem todo membro de denominação é membro do Corpo de Cristo. Para que isso seja verdade é preciso se observar o que as Escrituras ensinam sobre ser igreja.
     Em resumo, nós somente somos igreja se estamos em Cristo (Jo 15.7), santificados por Ele (1Co 1.2), vivendo em amor uns com os outros (Jo 13.35) e anunciando as virtudes daquele que nos chamou das trevas para a sua luz (missão) (2Pe 2.9). Desta forma o inferno não prevalecerá sobre a nossa vida jamais.
     Podemos ter certeza de que Jesus cumprirá a sua promessa, pois ele deu provas mais que suficientes de sua onipotência ao ressuscitar. O mesmo que saiu do sepulcro ao terceiro dia é o que prometeu que edificaria a sua igreja. Mesmo a despeito das falsas doutrinas, da hipocrisia, de cristãos indolentes e de todas as tentativas do inferno, Jesus continua edificando a sua igreja e ela permanece firme e em constante crescimento. Glória a Deus!

CONCLUSÃO
    Diante do que estudamos nossa atitude premente deve ser nos certificar de que fazemos parte da Igreja, não meramente da denominação “Congregacional” ou qualquer que seja, mas da Igreja de Jesus, que é composta daqueles que se arrependeram dos seus pecados, confiam em Jesus como seu Salvador e Senhor e estão comprometidos em viver para Ele e para a promoção do Seu Reino.
     Se somos igreja só o somos porque estamos em comunhão uns com os outros, pois ninguém é igreja individualmente se não o é coletivamente. Sendo assim, viva por ela, ame-a e não se esqueça: se você não está fazendo o seu melhor para a igreja de Jesus, você está sendo usado por Satã para destruí-la. Não há meio termo nisso.

GLOSSÁrio
     Julgamento temerário – Julgamento sem conhecimento total de causa, precipitado, afoito.
     Apatia – indiferença, moleza, insensibilidade.

Bibliografia
     Ellsworth, Roger, O Deus de palavra, Ed. Vida, 214 páginas.
     Bíblia Sagrada, Edição Revista e Corrigida (Edição de 1995); Sociedade Bíblica do Brasil.