segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

COMPREENDENDO OS DONS MINSTERIAIS - O PASTOR

TEXTO CHAVE

“E vos darei pastores segundo o meu coração, que vos apascentem com ciência e com inteligência.”

Jeremias 3.15

VERDADE TEOLÓGICA

“Ser pastor é cuidar de pessoas que não te pertencem, mas que você pertence a elas.”

Pr. Ioséias



ESTUDO DE PREPARAÇÃO SEMANAL

►Segunda – Jo 10.1-11

Jesus, o Bom Pastor.

► Terça – Lc 10.16-20

Jesus transferiu a sua autoridade aos seus discípulos.

►Quarta – 1Tm 3.1-7

As qualificações para o ministério pastoral.

► Quinta – Tt 1.5-9

Exigências para o pastorado.

► Sexta – 1Co 4.1-4

O pastor, um mordomo.

► Sábado – 1Co 9.7-10

O pastor, um lavrador.



LEITURA BÍBLICA CONGREGACIONAL

João 10.1-5

1. NA VERDADE, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador.

2. Aquele, porém, que entra pela porta é o pastor das ovelhas.

3. A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as traz para fora.

4. E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz;

5. Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos.



ELUCIDAÇÃO TEXTUAL

No nosso texto base Jesus está ensinando a diferença fundamental entre o Bom Pastor, Ele, e o mercenário, Satanás. Esse discurso do mestre serve muito bem como base para a vida do bom pastor, que tem Jesus morando em seu coração, e o mau pastor, que é mercenário e vive insuflado pela síndrome de Lúcifer (desejo de autossuficiência).



INTRODUÇÃO

Você conhece o que a Escritura ensina acerca do ministério pastoral? Sabe qual deve ser o modelo de conduta de um autêntico pastor? Conhece as exigências bíblicas para se exercer esse ministério? E as figuras que a Bíblia usa para ilustrar o alcance e a seriedade do ministério pastoral?

Nossa lição abordará essas questões acerca do ministério de um pastor. Se você sabe alguma das respostas ou todas elas, participe acrescentando o seu conhecimento para o crescimento de todos. Se você não sabe nenhuma das respostas, participe contribuindo com suas perguntas inteligentes, pois perguntas caracterizam inteligência e não a falta dela.

Envolva-se. Cresça e permita que outros cresçam com a sua ajuda.



I – JESUS, O PADRÃO PERFEITO DO PASTOR.

Jesus é o paradigma de todo pastor verdadeiro e suas características devem ser absorvidas por aqueles que exercem o ministério da Palavra. Para isso, nos basearemos no texto do bom pastor (Jo 10) para a nossa avaliação do ministério pastoral.

O Senhor afirma que o Bom Pastor tem livre acesso ao aprisco das ovelhas (Jo 10.1,2), referindo-se assim à sua autoridade que, depois foi transferida à igreja (Lc 10.16-19).

Jesus continua seu ensino afirmando que o Bom Pastor guia as suas ovelhas com pala-vras e exemplo (Jo 10.7). Ele vive próximo delas e é conhecido por todas (Jo 10.3,4). Guia o rebanho para uma vida de bênção aqui e a vida eterna no porvir (Jo 10.4,10,17,28). O Mestre também ensina que o Bom Pastor é o exemplo moral das ovelhas e vai adiante delas (Jo 10.4), sendo plenamente leal ao rebanho e estando pronto para, inclusive, morrer por ele (Jo 10.11). Significando assim que o Bom Pastor garante a segurança do rebanho, agora e por toda a eternidade (Jo 10.27-30).

O modelo de Jesus é muito importante para todo pastor. Assim como Ele os pastores também têm que procurar instruir suas ovelhas através do conhecimento da Palavra e do exemplo de vida, estando sempre próximo a elas como um amigo sempre presente, guiando-as a toda verdade e fazendo-as sentirem-se seguras e confiantes, pois sabem que o seu líder as está guiando ao caminho da eternidade com Cristo.

Infelizmente muitos “pastores” hoje não passam de “homens do palco”. Seu “ministério” se restringe exclusivamente ao púlpito, onde ele faz suas performances e ganha por elas. O foco de tais homens está apenas na apresentação de uma “boa mensagem”, cheia de técnicas de oratória, e manipulação psicológica, mas não participam da vida de suas ovelhas e nunca estão acessíveis a elas. Esse não é o modelo de Jesus.

Se o ministro não segue o modelo de Jesus então ele não é pastor coisa nenhuma. Embora ninguém possa ser como o Senhor, o pastor deve ser o mais próximo possível do modelo de Cristo; sobretudo no que concerne ao amor pelas suas ovelhas e pelas almas perdidas.



II – O DOM PASTORAL.

O pastor é um dom de Deus à Igreja. Isto é, o pastor é um presente que Deus dá à igreja e como todo presente ele deve ser útil àquele que o recebe. Sendo assim, o verdadeiro pastor deverá ser possuidor de alguns dons espirituais para o serviço ao povo de Deus. Com certeza o pastor deve possuir o dom de governos, sendo esse um dom específico do seu ministério (1Co 12.28). Também deve ter o dom da fé, pois se o pastor não for um homem de fé como esperar que a igreja sob o seu pastoreio seja?

Além do que foi apresentado o pastor deve ser capaz de ensinar (1Tm 3.2b), embora nem todos os pastores sejam mestres (1Tm 5.17). Sobretudo, o pastor deve ser cheio de compaixão e simpatia e ser um homem que gosta da companhia das pessoas.

Além de tudo o que foi exposto acima as cartas de Paulo a Timóteo e a Tito, chamadas de cartas pastorais, apontam as qualificações exigidas daqueles que se propõe ao ministério pastoral. Entre uma variação e outra em cada carta a essência do ensino de Paulo é que o pastor deve ser um homem de auto-domínio (1Tm 3.1), liberto de vícios, pacífico e sem excessos (1Tm 3.3). Deve ainda governar bem a sua casa (1Tm 3.4,5), ter boa reputação dos não cristãos (1Tm 3.7), ser contrário à maledicência (2Tm 2.16), não ser ganancioso (Tt 1.7), viver em santificação (2Tm 2.21), ser forte na fé e mestre na mesma (1Tm 4.12), ter ousadia no ensino e ser cheio de amor e paciência (1Tm 6.11), ser perseverante (1Tm 4.16) e caracterizar-se por suas boas obras (Tt 2.7). Deve ser puro na doutrina (Tt 1.9; 2.8), de linguagem sadia (Tt 2.8) e reconhecido pela piedade (Tt 1.1) e não ser um crente novo, mas um cristão maduro (1Tm 3.6).

Como constatamos acima, as exigências para o exercício do ministério pastoral são elevadíssimas. Mas, o que esperar daqueles que devem ser os guias e modelos de conduta da igreja de Jesus (Hb 13.7)? Você teria como modelo de vida um homem que vivesse abaixo desses padrões? Confiaria suas lutas e angústias mais íntimas a alguém que não vivesse em conformidade com os padrões acima? Pediria sua ajuda e orientação?

Jesus ama muito a sua igreja para confiá-la a homens que não sejam dignos de tão honrosa posição.

Mas você poderá perguntar: “e os ditos ‘pastores’ que tantos males vêm promovendo à sociedade? Porque Jesus os permite à frente da igreja?”

Na verdade a questão é mais profunda e a pergunta correta é: “essa denominação exprime em sua doutrina a essência do Evangelho?” Se a resposta for sim, então cedo ou tarde, esse falso pastor será desmascarado. Se a resposta for não, então Jesus não tem nenhum compromisso com essa igreja e esses “pastores” e nenhum deles pertence ao rebanho de Cristo.



III – IMAGENS BÍBLICAS DO MINISTÉRIO PASTORAL.

Para que possamos compreender a grandeza da responsabilidade do ministério pastoral a Escritura usa algumas imagens que retratam o papel desses ministros de Cristo e que exploraremos aqui, ainda que brevemente, utilizando como base a excelente obra de Irland de Azevedo, Imagens Bíblicas do Ministério Pastoral.

A primeira das imagens bíblicas que Paulo utiliza e que citaremos aqui é a de mordomo (1Co 4.1,2; 2Tm 1.14; 2.1,2). O mordomo é aquele funcionário de confiança de um nobre. Esse funcionário tem sob sua responsabilidade todos os bens do seu senhor e deve administrá-los com afinco. Assim, o pastor é chamado de mordomo. Ele tem acesso ao precioso tesouro da dispensa de Deus para alimentar o seu povo. Paulo chama esse mordomo de “encarregado dos mistérios de Deus” (1Co 4.1).

A segunda imagem a ser explorada aqui é a do soldado (2Tm 2.3,4). O soldado é o homem preparado para sofrer privações e suportar o sofrimento. O pastor deve ser esse homem. Poucas pessoas provarão mais privações e enfrentarão mais sofrimento pelos outros do que o pastor. Ele também deve viver de forma disciplinada e estar sempre disposto para a ação. O soldado não se envolve com coisas da vida civil, assim o pastor também não deve se envolver com nada que comprometa o cumprimento de sua missão no Reino de Deus.

A terceira imagem utilizada pela Escritura é a do lavrador (1Co 9.7-10; 2Tm 2.6). Este profissional é diligente e perseverante em sua tarefa como o pastor deve ser em sua missão de semear o evangelho. Do mesmo modo como o lavrador não depende exclusivamente de suas capacidades para que sua lavoura seja farta, também o pastor não depende exclusivamente de suas capacidades para que a igreja seja uma bênção. O pastor entende que a “lavoura de Deus” (1Co 3.9) é uma obra de cooperação divino-humana e não vive em função do tamanho da igreja, se frustrando, pois sabe que a ele o que importa é ser fiel em sua semeadura da genuína semente da Escritura e que o crescimento já não é mais um problema seu, mas de Deus. Os pastores não serão avaliados pelo tamanho da igreja que pastorearam, mas por sua fidelidade e diligência em cuidar dessa igreja.

Outras imagens que não poderemos abordar aqui por uma questão de espaço são: o atleta (2Tm 2.5), o obreiro (2Tm 2.15), a mãe (1Ts 2.7,8), o pai (1Ts 2.9-12), o ministro (servo) (1Co 4.1), o construtor (1Co 3.10) e por fim, o pastor (Ef 4.11,12).

Essas imagens reforçam a importância e a seriedade do ministério pastoral. Se todos os que almejam ao pastorado (1Tm 3.10) e todos os ordenam ministros na igreja avaliassem bem o que essas imagens significam as igrejas teriam pastores muito melhores. Você concorda?



CONCLUSÃO

Tendo Jesus como o modelo do ministério pastoral é de suma importância que a igreja aprenda a honrar aqueles que o Senhor tem designado para tal ministério. Também é de igual importância que os pastores não abusem dessa honra visando privilégios, mas que vivam assim como o seu Modelo, Jesus, de forma modesta e sendo sempre acessíveis aos seus discípulos.

O pastor deve ser o homem em quem a igreja confia. Afinal, repousa sobre os seus ombros a missão de levar esse povo a uma vida com Deus nessa terra e à eternidade na glória celeste.

Oremos por nossos pastores para que a cada dia mais eles possam exercer os seus dons no seio da igreja levando-nos a um conhecimento cada vez maior do único e verdadeiro Deus.



GLOSSÁRIO

Afinco – constância, tenacidade, dedicação.

Paradigma – modelo, padrão.



BIBLIOGRAFIA

Bíblia de Estudo Pentecostal, Edição de 1995, SBB e CPAD.

Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, R. N. Champlin e J. M. Bentes, Volume 5, pg. 105-106, Ed. Candeia.

Chave Linguística do Novo Testamento Grego, Edições Vida Nova, 1995, p. 393.

A Igreja e as Sete Colunas da Sabedoria, CPAD, Severino Pedro, 1998.

Teologia Pastoral, CPAD, José Deneval Mendes, 1999, p.28

Imagens Bíblicas do Ministério Pastoral, Vida, Irland de Azevedo, 2004, 142 pg.

Sites:

HTTP://WWW.PRAZERDAPALAVRA.COM.BR/